Wish away the nightmare

A scattered dream that’s like a far off memory. A far off memory that’s like a scattered dream. I want to line the pieces up… Yours and mine.

Não tenho certeza de nada, mas a visão das estrelas me faz sonhar.
- Vincent Van Gogh  (via verseto)
Esse texto fala de caos, desordem e assolações e ao mesmo tempo fala de amor. Fala de você. Narrarei o caos existente em meu peito desde que sua vida misturou-se um pouco com a minha: Meus dias são cheios de uma coisa chamada saudade, mesmo que nunca tenha te visto ou tocado sua pele macia. Tocado/sentido seu cheiro; seus cabelos. Sinto falta de algo que nunca vi ou senti, dos teus lábios carnudos a deslizar pelos meus, do seu corpo que de alguma forma é minha morada. Nada é do mesmo jeito, até a maneira que seguro a escova tem um pouco de você. Mudei o lugar das toalhas e os copos saíram do armário para o balcão da cozinha, quem chega sequer nota a diferença, mas eu noto, faço isso, pois acredito que seria assim que você faria, bagunçaria minha casa assim como fez esse reboliço no coração. Não quero a mesma monotonia de antes, não quero a mesma rotina fadigada de mim, quero você. Um chá de você. Um café de você. Um mix repleto de você. Quero minha escova ao lado da sua, nossas pernas encaixadas. E esta devastação que veio junto com sua chegada é apenas um porém, um entretanto pois a minha vontade de te ter consegue ser maior que tudo isso, maior que os quilômetros que nos separam, maior que o preconceito que nos rodeia, bem maior que esse amontoado de gente com mentes pequenas; vidas pequenas; sentimentos pequenos; almas vazias. Coitados! Mal sabem como é bom amar, e jamais saberão o quão perfeito é amar você.
- Joy Luz       (via semtom)

(…) Até porque você ainda é a menina que não gosta de aniversários mais ciumenta que eu já conheci, um pouco mais ou um pouco menos do que eu, embora nessa competição eu não queira saber quem vá ganhar já que tampouco espero que provoquemos nossos monstrinhos internos. Deixemos quietinhos, juntinhos, quem sabe? Porque eu também posso ter meus surtos e não ser taxada de maluca, afinal, se for assim você é louca comigo. E que modo mais lindo do que compartilhar a insanidade? Se é que posso chamar de insanidade, porque talvez isso faça parte do que é o amor. Porque suas ideias para histórias/jogos são tão impublicáveis quanto as minhas, seríamos alvos das piores críticas – e até mesmo censuradas, por que não? Mas que são as histórias que mais gosto de ler em meio a uma estante repleta de livros. Porque você diz que não escreve bem, mas é uma tremenda mentirosa, e eu uma tremenda exagerada suspeita, porque afinal ser crítica com o que se escreve é algo que nos atinge igualmente – então você pode estar dizendo a verdade, mas eu vou discordar sempre. Porque você é uma viciada em série e acaba me contagiando para assistir parte delas – não digo todas, e confesso que não consigo te acompanhar, mas que já vi muito mais do que veria se estivesse sozinha. Porque você é a menina que me escuta falar dos meus livros já que o meu vício é esse, também. E você é a menina que gosta de fazenda e tem uma paixão tão grande por animais que me comove. E você roubou meu coração, afinal.

E tudo isso só porque você é a menina que não gosta de aniversário. Mas que vai me atender quando eu ligar na hora do almoço e te desejar parabéns, meu amor. Então deixe que eu goste desse dia por você, porque eu ainda sou aquela que tem todos os motivos do mundo pra isso.

Eu não sei se eu vou ter tempo para escrever mais, porque eu posso estar muito ocupado tentando participar. Então, se isso acabar sendo a última vez, eu só quero que você saiba que eu estava em um lugar ruim antes de começar o colegial. E você me ajudou. Mesmo que não soubesse do que eu estava falando, ou conhece alguém que passou por isso. Você me fez não me sentir sozinho. Porque eu sei que há pessoas que pensam que essas coisas não acontecem. E há pessoas que esquecem de como é ter 16 anos quando completam 17. Eu sei que serão apenas histórias algum dia. E nossas imagens vão tornar-se fotografias antigas. E todos nós seremos mãe ou pai de alguém. Mas agora, esses momentos não são histórias. Isso está acontecendo. Eu estou aqui. E eu estou olhando para ela. E ela é tão bonita. Eu vejo isso. Um momento em que você sabe que não é uma história triste, você está vivo. E você se levanta e vê as luzes nos prédios, e tudo isso te deixa surpreso. E você está ouvindo essa música nessa estrada, com as pessoas que mais ama neste mundo. E neste momento, eu juro; nós somos infinitos.
- As Vantagens de Ser Invisível (via palavrisses)
Eu sabia que tinha alguma coisa de errado comigo mas não me considerava insano. Era simplesmente que eu não conseguia compreender como é que outras pessoas tornavam-se tão facilmente irritadas, para em seguida com a mesma facilidade esquecer a sua ira e se tornarem alegres, e como é que eles podiam ser tão interessados por tudo, quando tudo era tão chato.
- Charles Bukowski.    (via insobrios)
Ter a consciência de que estamos desatentos… é estar atento! A verdadeira coragem reside no destemor ao encarar os próprios medos. A verdadeira virtude é ver as próprias falhas e as virtudes de todos os outros. Se lembrar de quem somos é esquecer de tudo aquilo que pensamos ser. Saber é compreender que o conhecimento não é sabedoria, que a inteligência é sensibilidade, que o elogio é perigoso, que só a gratidão é um gozo e o silêncio é precioso. O verdadeiro dar não anseia receber. O verdadeiro sonho acontece enquanto estamos acordados, dentro do nosso ego energizado pela busca da satisfação e fuga do que não o agrada. A sensação de superioridade é a maior inferioridade humana. Na dor todos somos iguais. Na morte somos os mesmos. Na insatisfação todos sofremos. Na expectativa nos frustramos. Na ingratidão negamos a realidade, ou a casa em que você mora foi construída sozinha? Você cuidou de você desde quando era um bebê? Você nasceu sabendo ou a paciência de alguém te ensinou? Tudo o que você usa para o seu bem-estar, prazer, foi plantado, colhido e construído por você? Você conseguiu o emprego, ou te deram? Você aprendeu a ler sozinho? As ruas por onde você anda sempre existiram? Se achar auto-suficiente é negar a realidade e a teia de bondade em que vivemos, que independe dos motivos dos outros, mas sim daquilo que podemos desfrutar. O movimento da mente obscurece o movimento do mundo. O narcisismo enfeia tudo a nossa volta. A vaidade nos torna agressivos. O apego nos torna preguiçosos. Nossos próprios desejos distorcem o amor. Nossa busca por gratificação externa torna a vida vazia. O medo de perder nos faz perder momentos. O futuro e o passado vivo na mente nos faz perder o presente. Amar demais a si nos faz perder a paz. E só vencemos na vida quando morremos felizes.

CDS